728 x 90

Jair Bolsonaro deve ser responsabilizado criminalmente pelos ataques golpistas?

Jair Bolsonaro deve ser responsabilizado criminalmente pelos ataques golpistas?

Reter passaporte e decretar prisão são medidas cautelares cabíveis

Não se pode supor que os episódios de 8 de janeiro sejam tão somente resultado da deliberação de uma horda de radicais e da simples arregimentação de pessoas ideologicamente identificadas com o fascismo.

Há método, interesses, propósitos e estratégias subjacentes. Vivemos em um momento decisivo, em que ou as instituições e a sociedade se mobilizam ou a sombra de nosso passado escravista e autoritário se projetará para o futuro.

Precisamos proteger o patrimônio público, a livre e pacífica circulação de pessoas e riquezas e os nossos ativos estratégicos, cobrando as instituições para que funcionem nos termos previstos em lei.

As Forças Armadas devem revelar sua aderência incondicional à Constituição e subordinar-se aos seus comandos. O Poder Executivo há de se impor com a inequívoca legitimidade das urnas.

Procuradoria-Geral da República, por sua vez, deve atuar com independência e autonomia, livrando-se dos interesses políticos e eleitorais pelos quais se deixou instrumentalizar nos últimos anos. O Judiciário não pode hesitar. Somente com a cabal responsabilização dos financiadores, organizadores, atores ativos, comissivos —e até mesmo dos que contribuíram com atos omissivos— é que poderemos viver em um estado de normalidade democrática.

Devemos punir, com rigor, todos os impulsores dessa frustrada tentativa de golpe e bem-sucedida operação de depredação e imposição do caos na capital federal.

As inelegibilidades do braço político dessa verdadeira organização criminosa devem ser reconhecidas, e notadamente as de quem promove, há muito, sucessivos atos que atentam contra o Estado de Direito. São consequência natural para os escandalosos abusos de poder econômico, político e religioso que assistimos nas últimas eleições.

Não se deve admitir mais a captura da informação e da desinformação. Precisamos enfrentar o tema espinhoso da regulamentação da mídia e das redes sociais.

Não podemos nos intimidar diante desse golpismo que nos assesta há vários anos e do qual não podemos mais ser reféns. É hora de enfrentar e de derrotar essa horda de criminosos e de desbaratar o braço empresarial que lhe provê, responsabilizando, civil e criminalmente, todos os que revelaram interesse ou participaram de alguma forma dos episódios —inclusive o seu principal incentivador, o senhor Jair Bolsonaro, e os maus militares que marcham ao seu lado.

Que possam responder, com todas as garantias da lei e da ordem democrática que tentaram violar, por crimes contra o patrimônio nacional, por associação criminosa, por danos qualificados e por tentativas de golpe de Estado e de abolição violenta do Estado de Direito.

Bolsonaro não cometeu diretamente os fatos típicos aqui elencados, mas os instigou, sugeriu, reforçou e atuou como verdadeiro cúmplice dos marginais que ainda lidera.

Não se omitiu, apenas. Deixou de agir quando tinha a obrigação moral, jurídica e política de fazê-lo.

As punições, severas, pedagógicas e legítimas, darão um forte recado ao mundo. E Lula, ao reconstruir, reconciliar e refundar o país, isolará e derrotará finalmente o bolsonarismo.

Observação: para quem acha que não pode piorar, basta ler o relatório da busca e apreensão promovida pela Polícia Federal na casa do ex-ministro da Justiça de Bolsonaro. Chamou a atenção uma minuta de decreto para instauração de estado de defesa na sede do TSE. A adoção de medidas cautelares, pois, tais como a retenção imediata dos passaportes de Jair e de Anderson Torres, bem como a decretação de suas respectivas prisões, temporárias ou preventivas, é necessária para o fim dos atos que violam a ordem pública e a democracia em nosso país.

É o que se pode exigir e esperar.

Artigo publicado originalmente na Folha de S.Paulo.

Compartilhe

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Mais do Prerrô

Compartilhe